domingo, 1 de fevereiro de 2009

singing my life...


À dois meses que não me deixava escorrer caneta abaixo...Mas hoje aquela música voltou...A minha mente voltou a fugir-me, deixou-me aprisionado fora dela...Por muito que tape os ouvidos a sua revivescente voz teima em fazer-se ouvir. Não vale a pena lutar, a esta altura os acordes já se entranharam em mim, nos meus olhos apenas o reflexo do berrante casaco que vestias naquela noite, a minha pele enrrugada com o vento que fazia esvoaçar o cabelo e deixava a descoberto a tua nívea face...
À medida que a música caminha de forma apoteótica, consigo sentir o teu respirar perto do meu...com um estirar da língua percorro as agressivas linhas que te encerram os lábios...ainda sabem a toda a cerveja que derramamos juntos nessa noite...Estrelado, como os céus das noites pefeitas devem ser, foi o pano de fundo do inevitavel beijo em que nos deixámos consumir....
À medida que a música vai cessando a minha mente deixa-me finalmente retomar controlo...mas apenas para me obrigar a fazer o que sempre fiz...carregar no stop!

2 comentários:

Cristina Tomé disse...

Quando nos deixamos «escorrer caneta abaixo» escorre muito mais do que apenas nós mesmos... escorre não só o corpo e a alma como escorrem pensamentos e vivências que martelam e se diluem já junto da «folha de papel». Só quem tem o privilégio de se deixar escorrer, de se deixar tombar docemente sabe aquilo de que falo. E é esta doçura que deixas fluir, ao som da música apoteótica que inebria... e em tom profundamente intimista nós dás conta do que passeia dentro de ti.
bjos

Cátia disse...

Ola!
Em primeiro quero reforçar os meus parabens e confessar a surpresa com que me deparei ao descobrir este blog e principalmente a pessoa que faz parte dele.As aparencias iludem.
Em segundo gostei especialmente deste texto, quando ja nao ha rasto de um pingo de inspiraçao é entao que ela volta e faz com que se escrevam textos assim fortes e descriçoes tao intensas. E se for preciso que carregues novamente no ON.
Beijinhos ;)